Queijos Brasileiros

Os queijos brasileiros estão evoluindo muito e rapidamente. Nos últimos anos, os produtores afinaram suas técnicas, os comerciantes estão tratando bem os queijos e o público respondeu com entusiasmo. A melhor notícia é que bons queijos estão sendo produzidos por todo o país: o Brasil não tem só canastras. A produção nacional tem outros grandes queijos regionais, como o serrano do Rio Grande do Sul, o coalho do Nordeste, entre tantos outros. E eles começam a ganhar lugar de destaque, em lojas especializadas que se espalham não apenas em São Paulo e no Rio de Janeiro, mas em diversas capitais.

O Paladar fez uma dura seleção com a ajuda do livro Queijos do Brasil e do Mundo, de José Osvaldo do Amarante. Depois da seleção orfabizou uma degustação de alguns dos melhores queijos que apareceram no mercado nos últimos anos. * Os preços foram checados em janeiro/2017.

Participaram da degustação Amarante, os especialistas Bruno Cabral (Mestre Queijeiro) e Fernando Oliveira (A Queijaria), além da editora do Paladar, Patrícia Ferraz, e do crítico gastronômico, José Orenstein.

Leite: cru de ovelha
Textura: quebradiço
Maturação: mínimo de 12 meses
Descrição: de sabor característico de queijos de leite de ovelha e salgadinho na medida. Apesar do aroma adocicado, o sabor picante prevalece – um contraste que ganhou a nossa atenção. Bom substituto do pecorino no preparo do cacio e pepe.
Produtor: a Grand Paladare é pioneira no País na produção de queijos artesanais de ovelha.
Preço: R$ 184 (o quilo)
Onde: Mestre Queijeiro

Leite: vaca pasteurizado
Textura: firme
Maturação: 5 meses
Descrição: de sobrenome “estilo reino”, este queijo de casca lavada com beterraba – que dá a cor característica na parte de fora – atende às expectativas de quem tem familiaridade com o tipo. É um queijo gostoso, simples e artesanal e vai bem com uma boa goiabada, no tradicional Romeu e Julieta.
Produtor: Fazenda Santa Luzia, que fica em Itapetininga, no interior de São Paulo.
Preço: R$ 120 (o quilo)
Onde: A Queijaria

Leite: misto – 50% de cabra e 50% de búfala pasteurizados
Textura: macio
Maturação: 60 dias
Descrição: parceria da produtora Heloisa Collins com Fernando Oliveira, que matura o queijo em uma caverna. O processo dá complexidade ao queijo – sabor suave e doce com leve picância.
Produtor: Capril do Bosque, que cria cabras – o leite de búfala vem da fazenda vizinha.
Preço: R$ 68 (a peça de 250g)
Onde: A Queijaria

Leite: cru de vaca
Textura: cremoso
Maturação: 30 a 40 dias
Descrição: a casca rústica e dura, com mofo artificial trazido da França, esconde um interior muito cremoso – seu ponto alto. Inspirado na receita do queijo francês Tomme de Savoie.
Produtor: no Vale do Paraíba paulista, o francês Christophe Faraud faz outras variedades
de queijo de receita francesa.
Preço: R$ 155 (o quilo)
Onde: Mestre Queijeiro

Leite: cru de ovelha
Textura: firme
Maturação: 90 dias
Descrição: este não é um queijo fácil. Tem sabores bem complexos, talvez o que rendeu mais discussão na degustação. Começa difícil, mas cresce na boca, com picos de picância e amargor que se revelam ao final.
Produtor: Lara Dias, que está à frente da Sabores da Ovelha, foi até a serra da Canastra para aprender o método de preparo do queijo tradicional da região. Depois, reproduziu a receita utilizando leite de ovelha.
Preço: R$ 180 (o quilo)
Onde: A Queijaria

Leite: cru de vaca
Textura: macio
Maturação: 6 meses
Descrição: agradável com sabor amanteigado, é um queijo fácil, para qualquer ocasião. Pode ser comparado a um parmesão não finalizado – doce e granulado, só que um pouco mais cremoso.
Produtor: os produtores da Fazenda Santana já criavam gado antes de decidirem investir na produção de queijo, com a ajuda de um especialista francês. Preço: R$ 180 (o quilo)
Onde: Mestre Queijeiro

Leite: cru de vaca
Textura: macio
Maturação: mínimo de 90 dias
Descrição: apesar do nome, em nada se assemelha com o queijo italiano. Este tem sabor potente e picante.
Produtor: uma cooperativa de mais de cem produtores no município de Alagoa (MG), no alto da serra da Mantiqueira, é a responsável pela identidade deste queijo, tradicional da região.
Preço: R$ 94 (o quilo)
Onde: Mestre Queijeiro

Leite: cru de vaca
Textura: firme e elástico
Maturação: 45 a 60 dias
Descrição: de aroma simples e sabor complexo, este queijo virou um hit na loja de Bruno. Como o próprio nome já diz, se sai bem no preparo da tradicional receita suíça.
Produtor: o suíço Dieter Müller e sua mulher, a brasileira Soraya, produzem esse queijo no Vale do Jequitinhonha.
Preço: R$ 108 (o quilo)
Onde: Mestre Queijeiro

Leite: cru de vaca
Textura: amanteigado
Maturação: 30 a 45 dias
Descrição: este é um queijo fácil, por assim dizer: suave na boca e com boa acidez, equilibrado do começo ao fim. Um bom queijo de mesa, ótimo para acompanhar um café mineiro.
Produtor: a serra capixaba é região de imigrantes italianos, como este produtor. Radicado há poucos anos no País, Amedeo Mazocca faz outros dois tipos de queijo de receita italiana.
Preço: R$ 121 (o quilo)
Onde: Mestre Queijeiro

Leite: cru de vaca
Textura: amanteigado (semiduro)
Maturação: 120 dias
Descrição: esse “canastra” do Sul é tradicional gaúcho. A região mineral confere sabor intenso e forte aroma de azeitona. Parece que leva azeite, mas é impressão. Preferido de muitos da degustação.
Produtor: Antonio Lopes é quem está por trás deste queijo (feito em pequena escala) e do movimento queijeiro da região – fazendo escola para outros produtores. Segue a tradição dos portugueses.
Preço: R$ 128 (o quilo)
Onde: A Queijaria

Fonte: paladar.estadao.com.br
por Renata Mesquita

CULINÁRIA ITALIANA

evoluzione-cucina

“A culinária italiana evoluiu através dos séculos, ao longo das mais variadas alterações sociais e políticas; suas raízes podem ser traçadas até o século IV a.C.. Mudanças significantes ocorreram com a descoberta do Novo Mundo, que ajudaram a moldar muito do que é conhecido como a culinária italiana hoje em dia, através da introdução de ingredientes como batatas,tomates, pimentões e milho, todos eles parte central da cozinha daquele país, e que no entanto só foram introduzidos em grande escala a partir do século XVIII.

Mais-peperoni-pomodori-patate

Tanto ingredientes como pratos mudam de região para região do país. Existem diversos pratos regionais importantes que também assumiram caráter nacional, enquanto diversos pratos que já foram regionais proliferaram, em diversas variantes, por todo o país. Queijos e vinhos são uma parte importantíssima da cozinha do país, desempenhando diferentes papéis tanto regionalmente quanto nacionalmente, com sua inúmera variedade e leis de regulamentação (Denominazione di origine controllataDOC).

vino_formaggi_g

Também o café, mais especificamente o espresso, assumiu um papel de destaque relevante na cultura gastronômica da Itália. (Wikipedia)”.

Caffe-espresso

 A Itália possui uma cozinha essencialmente tradicional  e com uma grande variação de produtos. Para quem pensa que por aqui se come somente massa está muito enganado.  Além de se comer muito bem, se come de tudo, muitos pratos de carne, peixe, cordeiro, frango, peru, frutos do mar e seus acompanhamentos, sem falar dos doces.

secondo-pesce

O italiano é muito exigente e crítico à mesa. Valorizam extremamente os seus produtos, possuem o hábito de quando vão ao mercado verificar sempre a proveniência  dos artigos para identificar, e garantir que o produto é de qualidade e pode ser consumido. Um dos lemas da cozinha italiana é aproveitar o que é produzido nas cercanias garantindo assim a “fresqueza” do produto que será consumido.Prodotti-freschi

Vocês já ouviram falar de antipasto, primo piatto, secondo piatto, contorno, dessert? O que vem a ser tudo isso?

Isso significa um típico almoço italiano e que não se encontra num prato único.   Os italianos não gostam de misturar os sabores e optam sempre pela simplicidade. Restaurante a quilo? Nem pensar… Imaginem colocar um monte de comidas mais ou menos desconjuntadas no mesmo prato, isso não existe e acho que nunca vai existir aqui na Itália.

Caprese-Salad-5

E para finalizar um dessert   (palavra bem pouco italiana, mas que usamos para indicar algo de doce, podemos chamar também de dolci) e complementando il caffè espresso, nem precisa falar que é o único que existe por aqui, as outras variações são todas consideradas “cose di americani”.

Dessert

Bom vocês devem estar pensando que para comer tudo isso deve precisar de muito tempo. E não tenham dúvida, precisa mesmo, aliás, o tempo necessário cresce ainda mais por causa das conversas demoradas que sempre acompanham as refeições, mas no fim, se a mesa é um lugar de prazer, de encontros , de troca de conhecimentos, porque deveríamos querer levantar tão cedo? 🙂

Gostou de conhecer um pouquinho da culinária italiana? Então deixe seu COMENTÁRIO!!!

BUON APPETITO A TUTTI!!