Gastronomia é arte e inspiração

Certamente, você já ouviu a expressão ” nós comemos com os olhos” e é a mais pura verdade. Antes de decidir se vamos comer ou não um determinado prato, nós o julgamos por sua aparência.

Apesar do sabor ser parte essencial na gastronomia, o visual é o primeiro contato que o cliente tem com a comida. Portanto, nesse momento, é fundamental que o prato desperte a curiosidade e o desejo do consumidor.

É válido pensar na gastronomia como uma arte na qual o prato é uma tela em branco a ser “desenhada” pelo Chef de Cozinha.

A escolha da louça é fundamental no momento da montagem do prato, tendo em vista que a mesma não deve roubar a atenção e sim ressaltar os alimentos. Além disso, pensar na combinação de cores dos insumos é essencial para transmitir equilíbrio e despertar o paladar.

Outro fator importante é pensar, previamente, na montagem antes de começar a confeccionar o prato, levando em conta, é claro, a combinação de sabores e texturas. Afinal, o sabor é sempre o principal diferencial que um bom Chef pode oferecer para o seu cliente.

E aí, gostou dessa matéria? Conta pra gente o que você gostaria de ver aqui no nosso blog. Até a próxima!

 

Ervas frescas ou secas? Quem vence a disputa?

Quem nunca sentiu aquela fome enquanto sentia o cheiro de uma deliciosa comida sendo preparada? Os aromas aguçam o nosso paladar e as ervas são muito utilizadas como temperos no preparo de diversos pratos, pois além de super aromáticas, proporcionam maior sabor aos alimentos.

Algumas pessoas conseguem até mesmo reduzir a quantidade de sal em suas refeições utilizando as ervas como alternativa. Porque, dessa forma os pratos ficam mais saudáveis, entretanto continuam bastante saborosos.

Você sabe qual a melhor forma de utilizar ervas frescas e secas? Então confira as dicas que selecionamos para você.

COMO UTILIZAR AS ERVAS DESIDRATADAS?

Se a erva for desidratada, não espere até o final do cozimento para adicioná-la. A erva seca precisa de mais tempo para liberar seus aromas e se misturar aos sabores do prato.

As ervas que melhor retém o aroma são aquelas em formato de arbustos, como o orégano, o tomilho e o alecrim. Ervas mais tenras, como o manjericão e a cebolinha, perdem muito do seu aroma, e por isso são melhores quando usadas frescas.

Se você for substituir a erva fresca pela seca, lembre-se que a seca tem sabores mais concentrados e por isso você precisará de uma porção menor. Use cerca de 2/3 do que você utilizaria se fosse uma erva fresca.

COMO UTILIZAR AS ERVAS FRESCAS?

A erva fresca deve ser adicionada ao final do cozimento ou com o prato pronto. O manjericão, por exemplo, deve ser adicionado à pizza depois que ela sair do forno. Já o tomilho fresco deve ser adicionado à sopa momentos antes de finalizar o cozimento.

Ervas frescas são muito indicadas para pratos que não vão ao fogo ou que terão muito pouco tempo de cozimento, como saladas e em alguns molhos.

Você também pode misturar as ervas desidratadas com as frescas. Coloque um pouco de ervas secas no início do cozimento para que os sabores se misturem e um pouco de ervas frescas ao final para realçar o sabor.

E aí, podemos considerar um empate, nessa disputa? Coloque em prática as nossas dicas e descubra o que mais agrada o seu paladar.

Fonte: Cozinha Técnica