Ervas frescas ou secas? Quem vence a disputa?

Quem nunca sentiu aquela fome enquanto sentia o cheiro de uma deliciosa comida sendo preparada? Os aromas aguçam o nosso paladar e as ervas são muito utilizadas como temperos no preparo de diversos pratos, pois além de super aromáticas, proporcionam maior sabor aos alimentos.

Algumas pessoas conseguem até mesmo reduzir a quantidade de sal em suas refeições utilizando as ervas como alternativa. Porque, dessa forma os pratos ficam mais saudáveis, entretanto continuam bastante saborosos.

Você sabe qual a melhor forma de utilizar ervas frescas e secas? Então confira as dicas que selecionamos para você.

COMO UTILIZAR AS ERVAS DESIDRATADAS?

Se a erva for desidratada, não espere até o final do cozimento para adicioná-la. A erva seca precisa de mais tempo para liberar seus aromas e se misturar aos sabores do prato.

As ervas que melhor retém o aroma são aquelas em formato de arbustos, como o orégano, o tomilho e o alecrim. Ervas mais tenras, como o manjericão e a cebolinha, perdem muito do seu aroma, e por isso são melhores quando usadas frescas.

Se você for substituir a erva fresca pela seca, lembre-se que a seca tem sabores mais concentrados e por isso você precisará de uma porção menor. Use cerca de 2/3 do que você utilizaria se fosse uma erva fresca.

COMO UTILIZAR AS ERVAS FRESCAS?

A erva fresca deve ser adicionada ao final do cozimento ou com o prato pronto. O manjericão, por exemplo, deve ser adicionado à pizza depois que ela sair do forno. Já o tomilho fresco deve ser adicionado à sopa momentos antes de finalizar o cozimento.

Ervas frescas são muito indicadas para pratos que não vão ao fogo ou que terão muito pouco tempo de cozimento, como saladas e em alguns molhos.

Você também pode misturar as ervas desidratadas com as frescas. Coloque um pouco de ervas secas no início do cozimento para que os sabores se misturem e um pouco de ervas frescas ao final para realçar o sabor.

E aí, podemos considerar um empate, nessa disputa? Coloque em prática as nossas dicas e descubra o que mais agrada o seu paladar.

Fonte: Cozinha Técnica

 

Os diferentes tipos de pimenta

De diferentes tamanhos, cores, formatos e sabores, as pimentas são o segundo tempero mais utilizado nas cozinhas de diversos países, perdendo apenas para o sal. Saber usá-las, na medida certa, pode resultar em pratos muito mais saborosos. Conheça alguns tipos de pimentas!

Pimenta malagueta: possui alto teor de vitamina A, próximo ao da cenoura que é uma das principais fontes desse nutriente. Seus frutos maduros têm coloração vermelha e são bem picantes. É muito utilizada na culinária brasileira, principalmente, em pratos baianos.

Pimenta-dedo-de-moça: é a mais consumida no Brasil e, apesar de sua coloração bem avermelhada, é mais suave do que a pimenta malagueta. Pode ser encontrada fresca, em conserva ou desidratada (pimenta calabresa). Muito utilizada em pratos italianos.

Pimenta Habanero: é uma espécie proveniente do México e é uma das pimentas mais fortes que existe. Depois de madura, pode apresentar um sabor levemente adocicado, mas ainda sim se mantém bastante ardida.

Pimenta-do-reino: representa uma das especiarias mais antigas e mais utilizadas no mundo. Pode ser encontrada nas cores verde, preta ou branca e possui sabor levemente picante. Pode ser usada em praticamente todas as preparações salgadas, sendo responsável por realçar o sabor dos pratos.

Pimenta caiena: constitui uma mistura de pimentas vermelhas secas (malagueta, dedo-de-moça e chifre-de-veado). Muito utilizada na culinária mexicana e tailandesa.

Pimenta biquinho: recebe esse nome por ser arredondada e estreita na ponta. A pimenta biquinho vermelha tem sabor suave e é muito utilizada na culinária mineira, já a amarela tem sabor marcante que não arde na boca, por isso, é empregada em pratos doces e salgados.

Pimenta tabasco: tem forma alongada e pequena e é originada de uma pequena cidade mexicana com mesmo nome. Antes de amadurecer, tem coloração amarela, depois alaranjada e por fim vermelha. Apresenta sabor picante, sendo utilizada no preparo de peixes e saladas.

Agora é com você escolher o tipo de pimenta que mais agrada o seu paladar!

Fonte: Natue

COMIDA CONTEMPORÂNEA

A cozinha contemporânea usa da criatividade para destacar e preservar sabores. Com as técnicas novas, europeias clássicas e americanas de diferentes chefes, combina os ingredientes de maneiras diversas e surpreendentes.

Os adeptos da cozinha contemporânea compreendem que degustar é diferente de saciar a fome. Por isso, o ritual da comida tem início na observação da disposição dos pratos à mesa. “A cozinha contemporânea permite isso sendo apresentada em poções para serem degustadas e não saciar a fome simplesmente”, explica. Alguns restaurantes especializados nesse tipo de cozinha, servem o “menu degustação” onde são apresentados vários pratos, propiciando uma viagem contemporânea de sabores.

Pensando em tudo isso e achando a melhor forma de proporcionar uma experiência gastronômica de alta qualidade para seus clientes, o Restaurante Santafé, possui uma variedade de pratos , com mais de 60 opções de saladas, a mistura de temperos mediterrâneos compondo a culinária internacional, dando um toque peculiar a cozinha da casa.

 

Uma sugestão do Restaurante Santafé é o Filet à Toscana:

filet a toscana logo

Delicioso filet mignon grelhado coberto com fatias de abobrinha italiana grelhada, berinjela grelhada, muçarela de búfala e tomates confitados. Tudo sobre refrescante molho pesto.