Entenda o que é o corpo do vinho

Bom, que tomar vinho é uma delícia nós já sabemos, né?! Mas você sabe o que significa a expressão “corpo do vinho”?

O corpo do vinho pode ser definido como o peso geral que o vinho faz em nossa boca. Os principais fatores que fazem com que um vinho seja mais encorpado do que o outro são: concentração das uvas, níveis de álcool, quantidade de açúcar, passagem por barris de carvalho, etc.

Os vinhos se dividem em três categorias, quanto ao seu corpo, e é bem fácil identificá-las. Vamos lá?

Vinhos de Corpo Leve

São mais refrescantes e considerados fáceis de beber. Quando acompanhados por refeições, as mais indicadas são: entradas, petiscos e pratos leves.

Vinhos de corpo leve incluem os espumantes e frisantes, a maioria dos vinhos brancos e rosés.

Vinhos de Corpo Médio

São mais ricos e concentrados. Podem adquirir médio corpo com o estágio em barris de carvalho.

Vinhos de corpo médio incluem: Chianti, Merlot, Malbec jovem, Bordeaux jovem, etc.

Vinhos Encorpados

São vinhos robustos e pesados. Geralmente, apreciados em companhia de refeições igualmente robustas.

Vinhos encorpados incluem: Vinhos licorosos e fortificados, Malbec com madeira, Chardonnay com madeira, Grandes Bordeaux, Tannat, Syrah, Cabernet Sauvignon, etc.

E aí, deu pra pegar as dicas? Agora, basta você decidir qual o seu tipo preferido e apreciar, com moderação.

Fonte: Vida e Vinho

1º Wine Fest Rede Gourmet

Se você é apaixonado por vinhos, temos uma dica imperdível que vai te deixar super animado. A Rede Gourmet tem o prazer de apresentar o Wine Fest.

Em sua 1ª edição, o festival de vinhos da Rede Gourmet irá disponibilizar mais de 100 rótulos de vinhos para degustação, incluindo os nacionais.  A degustação será orientada por Arilton Soares, sommelier da Rede.

Além disso, teremos o open food com as gastronomias dos restaurantes que compõem a Rede Gourmet: Udon Culinária Japonesa, Restaurante Santafé e Pizzaria Olegário. E não para por aí. Para deixar a noite ainda mais animada, contaremos com a presença especial do DJ Leandro Rallo.

O evento será realizado no dia 25 de Outubro de 2017 a partir das 18 horas, na Olegário Jardins: Avenida Prudente de Morais, 520 – Cidade Jardim. Os ingressos para o Wine Fest já estão à venda e além da degustação de vinhos e o open food, adquirindo seu ingresso, você também ganhará uma taça exclusiva do evento.

E aí, já confirmou sua presença no Wine Fest Rede Gourmet? Não corra o risco de ficar de fora. Acesse o site do Sympla e adquira já o seu ingresso. Evento sujeito a lotação.

Os melhores saca-rolhas para iniciantes

Não abre mão de tomar um bom vinho, mas tem dificuldades na hora de abrir a garrafa? Então, temos uma ótima notícia para você. Depois de ler esse post,  você não vai depender da ajuda de mais ninguém para apreciar seu vinho preferido. Selecionamos uma lista com 5 modelos de saca-rolhas que vão facilitar bastante esse processo. Confira!

1. SACA-ROLHAS DE DOIS ESTÁGIOS

Esse modelo é o mais utilizado por profissionais, sendo que a sua praticidade de manuseio e precisão também encanta os enófilos mais experientes.  Como o próprio nome sugere, 2 estágios são o suficiente para abrir uma garrafa.  2. SACA-ROLHAS DE ABAS

O modelo de abas é bem comum de ser encontrado em casas, em geral. Seu design permite abrir, facilmente, uma garrafa sem exigir força ou habilidades especiais.

3. SACA-ROLHAS DE ROSCA

Seu uso é muito simples, uma vez que devemos girar apenas a peça superior através da rolha para que essa seja retirada por completo.

4. SACA-ROLHAS ELÉTRICO

Esse modelo não exige nenhuma prática ou habilidade, justamente por ser elétrico. Basta acoplá-lo no gargalo da garrafa e apertar um botão e rolha sai rapidamente.

5. SACA-ROLHAS LEVER

O Lever também é um dos queridinhos dos iniciantes, sobretudo por sua facilidade de manuseio. Basta acoplá-lo em torno do gargalo e empurrar a alavanca para baixo, a fim de introduzi-lo até que a cortiça seja removida. É muito útil para quem está começando.Agora, basta escolher aquele que você se adaptar melhor e fazer bonito na hora de abrir o seu vinho. Depois, conta pra gente de qual desses modelos você gostou mais.

Fonte: Vila Vinífera 

Um guia de harmonização de vinhos e churrasco

O churrasco está presente em muitos momentos de diversão e lazer ao lado dos amigos e familiares. Apesar da tradição dos brasileiros de consumir cerveja durante essas ocasiões, os vinhos também são ótimas opções porque harmonizam muito bem com diferentes tipos de carnes.Ao contrário do que algumas pessoas pensam, não são apenas os vinhos tintos que resultam em boas combinações com churrasco. Para fazer boas escolhas, é necessário considerar o modo de preparo da carne, tempo de cozimento, temperos, molhos, gordura e suculência, a fim de que se possa optar pelo vinho ideal. Se for o contrário, ou seja, se a carne for escolhida após o vinho, será preciso levar em conta a existência de taninos, corpo, estrutura e acidez do mesmo.

PICANHA

É um dos cortes mais apreciados pelos brasileiros, e costuma ser a principal escolha para um bom churrasco. Essa carne é bem macia e vem envolvida em uma suculenta capa de gordura.

Vinho Ideal: Malbec argentino da melhor qualidade.FRALDINHA 

A fraldinha é uma carne macia e sequinha. Logo, não requer um vinho de muito peso.

Vinho Ideal: Merlot não muito encorpado, com taninos suaves e arredondados. CUPIM

Essa carne apresenta bastante gordura, e não é muito suculenta Apesar de macia, às vezes pode se apresentar um tanto quanto seca.

Vinho Ideal: Espumante Brunt. O perlage (borbulha) da bebida ajuda a suprir a falta de líquido, potencializando o sabor da carne. COSTELA 

Trata-se de uma peça gordurosa e macia, que requer um vinho um pouco mais encorpado, mas não muito pesado. A costela já é um corte super saboroso e acompanhado por molho barbecue é ainda melhor.

Vinho Ideal:  Syrah , um vinho tinto de médio corpo com notas de especiarias.ALCATRA

Bastante fibrosa macia e pouco gordurosa, a alcatra costuma estar presente na maioria dos churrascos.

Vinho Ideal: Carmenére Chileno ou Pinot Noir, vinhos tintos de corpo médio e boa acidez.FRANGO

Carnes brancas são leves e com têm pouca quantidade de gordura.

Vinho Ideal: Sauvignon Blanc, que possui ótima acidez e notas aromáticas ou um bom vinho Rosé. LINGUIÇA

Costuma ser a entrada em muitos churrascos. Geralmente, são peças suculentas com certa porcentagem de gordura.

Vinho Ideal: Espumante Rosé Brunt. Mas se a linguiça for apimentada, um Riesling seco alemão pode ser uma boa opção. Ele também combina bem com salsicha e carne de porco.Fonte: Vila Vinífera 

 

 

 

 

 

Vinhos e sobremesas

A variedade de vinhos existentes possibilita harmonizações com diferentes tipos de pratos. Por isso, os vinhos têm ganhado cada vez mais espaço nos momentos de confraternização.

Ao contrário do que algumas pessoas pensam, os vinhos podem proporcionar combinações incríveis com pratos doces. Para isso, é importante aproximar o nível de açúcar do vinho ao da sobremesa, de forma que um sabor não se sobreponha ao outro.

Selecionamos algumas formas de harmonizar vinhos e sobremesas para que você possa desfrutar dessa bebida dos deuses!

Sobremesas com café

É aconselhável buscar pelos tipos mais licorosos, um pouco oxidados e que lembrem o aroma do café. Geralmente, esses vinhos têm um gosto de envelhecido.

Sobremesas com chocolate

O cacau, a gordura e o açúcar pedem algo mais forte, com mais acidez, aroma e sabor marcante. Por isso, nada de vinhos brancos. Como são leves demais, desaparecem por completo ao serem apreciados com esse tipo de sobremesa.

Sobremesas com doce de leite

Por ser extremamente açucarado, esse tipo de doce pede uma bebida que enfrente essas características. É indicado um vinho com acidez bastante elevada para não deixar a sobremesa enjoativa.

Sobremesas com frutas secas

Invista em garrafas envelhecidas, mas não muito oxidadas. O ideal é um vinho branco doce com mais de 10 anos de idade ou um Porto com 10 ou 20 anos.

Sobremesas com frutas

Para não roubar o sabor de sobremesas como a torta de maçã, pêssego e outras , o indicado é uma bebida mais delicada, leve, com baixo teor alcoólico e aromas cítricos.

Fonte: Vejasp

 

Harmonizando Vinhos e Molhos

Quem não conhece aquela regrinha básica, molho vermelho – vinho tinto, molho branco – vinho branco? Mas será que esta regrinha está 100% certa? Você também está em dúvida? Então vamos falar um pouco sobre como uma harmonização de vinho com o molho certo podem mudar o sentido uma gastronomia prato!

Um prato que leva molho possui uma série de ingredientes que influem no resultado final, deixando o  conjunto mais leve, picante, herbal, cítrico, condimentado, etc.

Mas ai vai uma dica simples e certeira: quanto mais forte e intenso for o sabor do molho, mais potente precisa ser o vinho, seja ele branco ou tinto. Vamos ver algumas opções:

Molho de Tomate

Para o molho de tomate prefira vinhos com acidez mais elevada para acompanhar massas que levam o molho. A maioria dos vinhos italianos casa muito bem com este tipo de molho. O estilo do vinho italiano tem uma acidez que vai de encontro com a do molho de tomate.

Exemplo:  Pomodoro e ao sugo

Nestes dois molhos o que ressalta é a acidez do tomate e os aromas das ervas que são usadas, além de serem leves. O vinho ideal é um tinto leve e refrescante. Se o prato for bem leve, ou ainda acompanhar camarões e frutos do mar, um branco mais encorpado vai fazer bonito!

Molho Branco ou Gratinado

Para as massas com molho branco ou gratinado, opte pelos vinhos brancos mais encorpados. Dê preferência também para os vinhos com amadurecimento em barris de carvalho. Os vinhos brancos elaborados com as uvas Chardonnay, Viognier e Verdelho são os mais indicados para harmonização que levam esse tipo de molho.

Exemplo: Molhos brancos (bechamel, Alfredo e ao burro)

Estes molhos extremamente versáteis que acompanham massas, carnes, gratinados e o que mais sua imaginação permitir geralmente levam em comum leite ou creme de leite, manteiga e queijos. O que os diferencia é o toque aromático dos diferentes condimentos que podem conter noz moscada, ervas e outras especiarias. Brancos aromáticos e refrescantes serão as melhores companhias. Mas vale ressaltar que dependendo do acompanhamento como uma carne, um tinto leve também é muito bem vindo.

Molho à Bolonhesa

Os vinhos italianos fazem bonito na harmonização com massas ao molho à Bolonhesa. Há diversas opções que casam bem com esse molho.

Exemplo: À bolonhesa, ou à Amatriciana

Feitos à base de um bom molho de tomate e compostos ou acompanhados por carnes. O bolonhesa normalmente é feito com carne moída de boi e/ou porco. Já o “à amatriciana” é um molho italiano à base de tomate, bacon e pimenta, usado para condimentar as massas. Estas opções dão robustez ao prato, e casam muito bem com tintos de médio corpo a encorpados, com taninos e de boa acidez. Vale até adicionar vinho à receita para dar um toque especial!

Molho Carbonara

No caso das massas com molho Carbonara, o creme de leite é o que define o prato, assim prefira um vinho branco mais leve para acompanhar estes pratos. Alguns bons exemplos são os italianos das uvas Trebbiano ou Pinot Grigio, um vinho Chardonnay frutado, do Chile ou da Argentina, também cai muito bem com o molho Carbonara.

Exemplo: Aos quatro queijos e carbonara

Dois molhos que são puro amor. Com alto teor de gordura e intensidade de sabor, dados pelos queijos e o bacon, no caso do carbonara. Aos quatro queijos é aquele molho que fica bom com tudo, desde o miojo até aquele medalhão de filé mignon, ou um belo molho de gorgonzola e creme de leite. Já o carbonara é aquilo né, ovo, bacon, queijo e pimenta do reino. Como não amar? Para dar brilho à harmonização, vinhos brancos ou espumantes intensos são os mais indicados, a acidez é excelente aliada para quebrar a gordura. No campo dos tintos, taninos macios e não muito robustos casam bem.

Molho Pesto

O molho Pesto é intenso em aromas e tem sabor marcante por conta disso, os melhores vinhos para harmonizar com este tipo de molho são os mais aromáticos. Uma ótima opção é um vinho branco argentino Torrontés – fresco e aromático ou então os vinhos brancos italianos também acompanham muito bem as massas com molho Pesto.

Exemplo: Ao pesto ou ao alho e óleo

Ingrediente que acompanha ambos os molhos, o alho é taxado como difícil, pois dá muita intensidade à ambos os pratos. No pesto levamos em conta os aromas das ervas e especiarias. Ainda assim são molhos leves, então assim devem ser os vinhos, e para dar suporte ao sabor intenso do alho e dos aromas, uma acidez viva é fundamental. Aposte em um Sauvignon Blanc bem jovem ou ainda um Torrontés para dar vida ao prato!

 

As dicas foram ótimas para qualquer refeição ser ainda mais especial, agora é só aproveitar para saborear a harmonização perfeita!

 

http://gourmmelier.com/harmonizando-vinhos-e-molhos/ e https://www.cuecasnacozinha.com.br/2012/07/vinhos-massas-e-molhos/


 

Queijo e vinho nasceram um para o outro?

Pode ser que não, acreditando nesta frase é onde se erra mais, na prática, achar uma harmonização perfeita entre queijos e vinhos nem sempre é uma tarefa fácil, mas quando acerta é fantástico. Essa combinação pode não ser fácil porque existe milhares de queijos de vários sabores e alguns bem fortes, gordurosos, com alta acidez e com sal mais pronunciado. Na maioria dos casos temos que evitar vinhos muito jovens e tânicos porque o tanino vai causar conflito, podendo deixar a boca com gosto desagradável de metal. Prefira os vinhos com taninos mais maduros ou jovens com taninos mais macios. Porém, estes fatores não devem nos intimidar, o queijo é um alimento que vai bem com vinho.

Uma seleção de bons queijos acompanhada por um bom vinho, acrescentados de um mix de frutas secas e pães variados, pode ser uma experiência muito agradável. Os queijos podem ser servidos como aperitivo, entre as refeições, ou como sobremesa, o vinho certo vai exaltar mais ainda as suas qualidades.

Os queijos e os vinhos são capazes de nos proporcionar um prazer enogastronômico fantástico. Para errar um pouco menos temos que seguir algumas regras que irão nos ajudar, assim como em qualquer harmonização, o sabor do queijo não deve cobrir o do vinho e vice-versa.

A diversidade de queijos abre possibilidade para harmonizações diversas. Os queijos podem ser: fresco, fresco curado, branco mole, semi-mole, duro, azul e temperado, segundo “O Livro do Queijo” (Editora Globo). A partir das breves descrições ficará mais fácil encontrar os queijos de sua preferência e buscar o vinho que melhor harmoniza com eles.

Tipos de queijos e vinhos que harmonizam

Frescos, não tem casca, tem alto teor de umidade e acidez mais alta. Nessa categoria estão, Mozzarela de búfala, Ricota, Burrata, Mascarpone, Minas da serra da Canastra ou do Serro e o Grego Feta produzido com leite de ovelha ou cabra. Esses combinam com vinhos brancos jovens e frescos, os italianos verdicchio, Soave,Sauvignon Blanc da Nova Zelândia, vinho verde português etc.

Fresco curado, possui uma casca fina e enrugada, composta por bolores branco, cinza e azul. Os servidos mais jovens são cremosos e os mais velhos ficam quebradiços. São queijos pouco encontrados no Brasil, na França principalmente no vale do Loire temos Clochette, Valençay, Ventadour, na Itália tem o Formaggella Del Luinese. Para estes queijos o vinho branco de Sauvignon Blanc Sancerres da região do Loire, para o italino Cabernet Sauvignon sem madeira.

Brancos moles, coberto pelo bolor ficando uma casca branca e aveludada, tem uma textura cremosa com aromas de madeira úmida e principalmente de cogumelos. Os exemplares mais conhecidos no Brasil são os franceses Brie e Camembert. O vinho branco de Chardonnay ou um tinto da Borgonha mais simples ou Côtes-du-Rhône.

Semimole, pode ser de casca fina e seca a pegajosa de cor alaranjada ou aplicar uma cera vermelha. Os sabores podem ser suaves, de nozes, defumado e floral. Os queijos desse grupo são o holandês Edam, Italiano Provolone, português Serra da Estrela. Vinhos para Harmoniza, Chardonnay, tintos leve de Merlot , Carmenere, vinho da região de Lisboa.

Azul, casca pegajosa e áspera, entremeado de bolor não só na casca, mas em todo o queijo. Os queijos azuis não tem uma aparência bonita. Possuem como traço comum um sabor discretamente metálico e picante (sem ser, de fato, apimentado). A textura é geralmente úmida, para favorecer o desenvolvimento do bolor. O teor de sal é usualmente superior ao dos demais queijos. Os queijos desta categoria são Stilton, Roquefort, Gorgonzola entre outros. Estes queijos vão bem com vinhos doces como o vinho do Porto Tawny, LBV ou Vintage, Riesling, Gewürztraminer e até com Sauternes sendo um Roquefort.

Duro,  tem a casca fina à grossa, áspera ou lisa, de textura cremosa, flexível ou quebradiça, quando jovem tem um sabor adocicado e amanteigado quando fica mais velho é granulado e seus aromas são mais complexos cebola caramelizada e amêndoa. Estes podem ser consumidos sozinhos ou ralados sobre as pastas. Os mais encontrados no Brasil são Cheddar, Gouda, Emmental, Grana Padano, Parmigiano-Reggiano, Parmesão, Pecorino, Gruyère. Vai bem com tintos encorpado e maduro, Cabernet Sauvignon, italianos potentes como Barolo e Barbaresco.

O mais importante na harmonização é você beber e comer o que te dar prazer.

Arilton Soares, Sommelier – Rede Gourmet BH.

 

Harmonização entre massas e vinhos

Eis o par perfeito

Na Itália, país onde o macarrão é tão popular quanto o Papa, a bebida mais consumida não é por acaso o vinho. Esses dois elementos se complementam formando uma das harmonizações mais executadas do mundo. Porém, é preciso observar o molho que acompanha a massa para que a combinação seja perfeita.

Os próprios italianos afirmam que não existe uma regra para esse tipo de harmonização. Porém, a experiência fica muito mais prazerosa se pratos com molhos à base de carne ou tomate forem acompanhados de tintos e os elaborados com queijos ou frutos do mar forem tomados com brancos.

“O mais importante é que esses vinhos sejam leves, tenham boa acidez e não muito álcool”, esclarece Marcello lo Mônaco, italiano da Sicília e proprietário da importadora de vinhos Trinacria.

Os molhos mais comuns para o macarrão são os à base de tomate. Nesse caso, os vinhos para acompanhar pedem acidez pronunciada. Tintos como os da região de Chianti normalmente fazem bonito. Mas como o prato é simples e versátil, também aceita outras opções, como tintos feitos com a uva Merlot ou ainda rosés um pouco mais encorpados, tais quais os argentinos ou brasileiros.

Os amantes de uma boa macarronada normalmente não dispensam um molho à bolonhesa. Feito à base de carne moída, fica perfeito com a massa do tipo fettuccine ou tagliatelle. Mas pode se tornar melhor ainda se acompanhado de um tinto elaborado com a variedade Cabernet Sauvignon. Esses vinhos têm acidez presente e são encorpados o suficiente para fazer um bom casamento com o prato.

BRANCOS – Para as massas com molhos cremosos ou de queijos, a dica é experimentar com um branco, que pode ser da uva Chardonnay. Mas tintos delicados como Pinot Noir ou ainda o francês Beaujolais também são bem aceitos.

Embora menos consumidas no Brasil, as massas com frutos do mar e peixes também seguem a mesma filosofia de harmonização dos outros pratos feitos com esses ingredientes: vinhos brancos e rosés para acompanhar.

Um prato simples como o macarrão al pesto, que tem manjericão e queijo parmesão como ingredientes principais, vai muito bem com os brancos feitos com a uva Sauvignon Blanc ou Torrontés.

“Evite os vinhos pesados, caros e complexos”, finaliza Marcello lo Monaco, que no dia a dia prefere tintos feitos com as uvas Sangiovese e Montepulciano para acompanhar a sua sagrada macarronada.

GUIA RÁPIDO DE HARMONIZAÇÃO:

Uma dica para tornar a sua harmonização mais agradável é observar o molho que acompanha a massa:

TOMATE – Tintos leves e com boa acidez (Chianti, Merlot) e rosés em geral.
CARNE – Tintos um pouco mais encorpados (Cabernet Sauvignon).
QUEIJO – Brancos mais encorpados (Chardonnay) ou tintos delicados (Pinot Noir, Beaujolais).
FRUTOS DO MAR – Brancos e rosés em geral.
AL PESTO – Brancos leves e frescos (Sauvignon Blanc, Torrontés).

CULINÁRIA ITALIANA

evoluzione-cucina

“A culinária italiana evoluiu através dos séculos, ao longo das mais variadas alterações sociais e políticas; suas raízes podem ser traçadas até o século IV a.C.. Mudanças significantes ocorreram com a descoberta do Novo Mundo, que ajudaram a moldar muito do que é conhecido como a culinária italiana hoje em dia, através da introdução de ingredientes como batatas,tomates, pimentões e milho, todos eles parte central da cozinha daquele país, e que no entanto só foram introduzidos em grande escala a partir do século XVIII.

Mais-peperoni-pomodori-patate

Tanto ingredientes como pratos mudam de região para região do país. Existem diversos pratos regionais importantes que também assumiram caráter nacional, enquanto diversos pratos que já foram regionais proliferaram, em diversas variantes, por todo o país. Queijos e vinhos são uma parte importantíssima da cozinha do país, desempenhando diferentes papéis tanto regionalmente quanto nacionalmente, com sua inúmera variedade e leis de regulamentação (Denominazione di origine controllataDOC).

vino_formaggi_g

Também o café, mais especificamente o espresso, assumiu um papel de destaque relevante na cultura gastronômica da Itália. (Wikipedia)”.

Caffe-espresso

 A Itália possui uma cozinha essencialmente tradicional  e com uma grande variação de produtos. Para quem pensa que por aqui se come somente massa está muito enganado.  Além de se comer muito bem, se come de tudo, muitos pratos de carne, peixe, cordeiro, frango, peru, frutos do mar e seus acompanhamentos, sem falar dos doces.

secondo-pesce

O italiano é muito exigente e crítico à mesa. Valorizam extremamente os seus produtos, possuem o hábito de quando vão ao mercado verificar sempre a proveniência  dos artigos para identificar, e garantir que o produto é de qualidade e pode ser consumido. Um dos lemas da cozinha italiana é aproveitar o que é produzido nas cercanias garantindo assim a “fresqueza” do produto que será consumido.Prodotti-freschi

Vocês já ouviram falar de antipasto, primo piatto, secondo piatto, contorno, dessert? O que vem a ser tudo isso?

Isso significa um típico almoço italiano e que não se encontra num prato único.   Os italianos não gostam de misturar os sabores e optam sempre pela simplicidade. Restaurante a quilo? Nem pensar… Imaginem colocar um monte de comidas mais ou menos desconjuntadas no mesmo prato, isso não existe e acho que nunca vai existir aqui na Itália.

Caprese-Salad-5

E para finalizar um dessert   (palavra bem pouco italiana, mas que usamos para indicar algo de doce, podemos chamar também de dolci) e complementando il caffè espresso, nem precisa falar que é o único que existe por aqui, as outras variações são todas consideradas “cose di americani”.

Dessert

Bom vocês devem estar pensando que para comer tudo isso deve precisar de muito tempo. E não tenham dúvida, precisa mesmo, aliás, o tempo necessário cresce ainda mais por causa das conversas demoradas que sempre acompanham as refeições, mas no fim, se a mesa é um lugar de prazer, de encontros , de troca de conhecimentos, porque deveríamos querer levantar tão cedo? 🙂

Gostou de conhecer um pouquinho da culinária italiana? Então deixe seu COMENTÁRIO!!!

BUON APPETITO A TUTTI!!